O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Discurso de Rossi perdeu na convenção

 

Na convenção de ontem (6) que elegeu e empossou o paulista Baleia Rossi na presidência do MDB, dois discursos se destacaram em relação ao pronunciamento burocrático do novo dirigente nacional da legenda-personagem da História do Brasil.

O de Romero Jucá, pernambucano com domicílio eleitoral em Roraima, onde foi governador, senador de três mandatos e derrotado na eleição do ano passado. Teve gabinete na Esplanada dos Ministérios r liderou bancadas no Congresso Nacional.

Trecho sublinhado da fala de Jucá ao transferir o comando nacional do emedebismo a Rossi:

“Qual é a nova política? Qual é a que ele (Bolsonaro) pratica? Política é a política. É a boa política e a má política. Fazer política é tomar decisões para afetar a vida das pessoas. Quem faz bem afeta positivamente, quem faz mal, destrói a vida das pessoas”.

Foi de Moreira Franco a outra fala de repercussão. Piauiense, fez política no Rio de Janeiro. Governou o estado, representou os fluminenses na Câmara (três vezes) e colecionou passagens por ministérios nas governanças Dilma Rousseff e Michel Temer.

Disse:

“É necessário ser humilde para reconhecer a necessidade de mudanças internas e concretizá-las.  Os resultados das últimas eleições para nós, do MDB, foram terríveis. Temos que incorporar, entender, mudar para que nas eleições municipais comecemos a recuperar o que foi perdido”.

Sem comentários
Escrever um comentário