O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Notas curtas para leitura rápida

 

*  Luiz Pontel de Souza (foto) vai dirigir o Ministério da Justiça e Segurança Pública de 15 a 19 deste julho. Ele, secretário-executivo da pasta, substitui Sergio Moro. O titular, no período da licença, sem salário, viaja com a família.

* Apesar do ‘rombo’ orçamentário de quase R$ 3,5 bilhões na prefeitura carioca, o Tribunal de Contas do Município aprovou contas do governante Marcelo Crivella (PRB).

*  Meado de setembro é prazo previsto para concluir exame da ‘caixa preta’ do BNDES. Previsão é de Gustavo Montezano, presidente do banco. Também, na agenda, vender participação acionária em empresas e devolver recursos do Tesouro Nacional.

*  Rogério Marinho, secretário especial da Previdência, está em alta. O ex-deputado, conforme opinião no Congresso e no Executivo, é competente nas articulações e eficiente na interlocução com a imprensa.

*  João Amoêdo, presidente do Novo, rejeita criação precipitada de diretórios municipais do partido. Evita, assim, equívocos nascidos do primeiro impulso. O empresário exige análise rígida sobre pretendentes. Véspera de ano eleitoral, há de tudo no corre-corre em busca de legendas.

*  “É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política, que é, as mais das vezes, guerra entre interesse individuais” (Dom Pedro II, último imperador do Brasil).

Sem comentários
Escrever um comentário