O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Notas curtas para leitura rápida

 

Apoiador de vários governos, o deputado-dirigente do partido Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (foto), declarou guerra à presidência Bolsonaro. Paranaense com domicílio eleitoral em São Paulo, ele é contrário à nova regra da contribuição sindical ***** Na disputa municipal do próximo ano, abre-se ciclo eleitoral sem coligação de partidos. Grupos contrários à medida pretendem derrubar a lei antes de experimentada ***** Lula da Silva rende-se à realidade político-jurídica. Equipe de defesa do ex-presidente do Brasil pediu ao Superior Tribunal de Justiça progressão para o regime aberto.  Foi ontem (10), último dia do prazo ***** Cartazes com a mesma mensagem foram levados às ruas e às universidades do país, na semana que hoje se encerra. Dizeres: “Não deixaremos o Estado matar a Universidade Pública” ***** Agrado público de Bolsonaro a Sergio Moro, seu ministro da Justiça e da Segurança Pública: “Ícone do Brasil” ***** Mantido cenário de agora, deputado Alexandre Frota, da representação paulista, não vai demorar no PSL. Produtor e ator de filmes da linha pornô no passado recente, Frota anda às turras com Eduardo Bolsonaro, colega de bancada *****   “Os tolos se multiplicam quando os sábios ficam em silêncio” (Nelson Mandela, político sul-africano e Prêmio Nobel da Paz de 1993).

Sem comentários
Escrever um comentário