O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Amoêdo sugere fim de fundos políticos

João Amoêdo, da equipe criadora do Novo, partido pelo qual concorreu à Presidência da República, faz uma proposta ao país:

“Que tal extinguir o fundo partidário e o fundo eleitoral”?

Explica:

“Com a economia de R$ 2,6 bilhões, o governo ampliaria recursos para investir no social”.

Amoêdo somou 2,5% dos votos válidos (quase 2,7 milhões) na disputa de classificação. Não foi promovido ao turno da decisão, mas gostou da experiência e comemorou o desempenho partidário nas urnas de 2018.

Romeu Zema foi eleito governador de Minas Gerais, estado de referência política nacional abalado com os escândalos protagonizados, sobretudo, por duas grandes siglas: PSDB e PT.

Oito cadeiras da Câmara dos Deputados são ocupadas por filiados ao Novo. Tem um representante na Câmara Legislativa do Distrito Federal e agrega 11 parlamentares estaduais.

Ampliada base, próxima batalha a ser travada é a eleição para prefeitos e vereadores, em outubro de 2020. Com alto índice de jovens em ação partidária, o Novo vai concorrer em centenas de municípios e em várias capitais.

Sem comentários
Escrever um comentário