O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Volver à direita ou ao centro sereno?

Repete-se no Brasil – em alguns países da América Latina, também – o que é visto, ampliação alargada, em outras regiões do mundo habitado por ‘tribos’ em mutação política.

Na República Surrealista dos Trópicos, resultado da eleição de 2018 surpreendeu políticos da velha-guarda, mas não as ruas e novas gerações que cobram mudanças republicanas, renovadoras e pacíficas.

Involução das esquerdas ocorrida na Europa é fato real. Lembre-se a decadência do outrora vigoroso socialismo na França. No último embate eleitoral (2017), ficou em humilhante quinto lugar. Foi derrotado pelo ex-filiado Emmanuel Macron, que criara a legenda Em Marcha.

Verifica-se, ao contrário, acumulação das direitas em superdireitas, e toda a série de novos extremos partidários ao redor do mundo. É o que leva, inclusive, em tal radicalização, a confundir estabilidade com mudança drástica, e à confusão no início do governo Bolsonaro.

Será apenas por enquanto?

Sem comentários
Escrever um comentário