O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Jucá, paz retomada, voltou a líder

Partidos à parte, quatro presidentes da República designaram, em algum momento, Romero Jucá (MDB-RR) porta-voz de seus governos no Senado.

Michel Temer (também emedebista) repetiu os antecessores Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Lula da Silva e Dilma Rousseff – ambos do PT.

Depois de intervalo com a marca de desacordo político, o pernambucano do Recife e domicílio eleitoral em Roraima, estado que governou, Jucá voltou ontem (quarta-feira) a falar em nome de Michel, de quem foi ministro do Planejamento nos momentos iniciais da chegada do paulista ao Planalto como ‘herdeiro do trono’.

Ele é tão útil, por quê?

Conhece todos os caminhos no Senado e, também, na Câmara. É hábil e afamado como cumpridor de acordos. Relaciona-se bem com a imprensa, apesar da divulgação recorrente dos deslizes éticos apontados nas denúncias do Ministério Público Federal.

Pós-escrito: Romero Jucá será ausência sublinhada no Senado. Ele não se reelegeu.

Sem comentários
Escrever um comentário