O Porquê do Blogue

Brasil está no labirinto da indefinição. O momento estimula desafios e amplia debates. Tempo, portanto, da informação que detalha e da análise que orienta, ambas matérias-primas do jornalismo parceiro da verdade. Além da intermediação entre o fato e o leitor, este espaço pretende ser mais uma trincheira dos direitos e das garantias individuais. Também, da livre iniciativa e do enquadramento do Estado, ineficiente e caro, na prestação de serviços essenciais aos cidadãos, independentemente de cor, credo e gênero. Linha editorial independente exclui associação com o poder e a oposição, mesmo se forem reconhecidas a origem legal da conquista e a respeitabilidade do seu protagonismo. É compromisso. Acompanhe e critique.

Entre em contato!
walgom@uol.com.br

Recado do tucano FHC aos petistas: “Cresçam e apareçam”

Irritado, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) avisa que não aceita “coação moral” dos que agora buscam seu apoio.

Refere-se às pressões do PT para se pronunciar a favor do projeto eleitoral de Fernando Haddad.

“Quando você vê o que foi dito a respeito do meu governo, nada é bom. Tudo que fizeram é bom. Quem inventou o nós e eles foi o PT. Eu nunca entrei nessa onda”, diz o ex-presidente da República, único tucano que derrotou Lula da Silva duas vezes e no primeiro turno.

Segundo ele, “agora o PT cobra… diz que tem de apoiar. Por que tem de apoiar automaticamente? Quando automaticamente o PT apoiou alguém? Só na vice-versa. Com que autoridade moral o PT diz: ou me apoia ou é de direita? Cresçam e apareçam. A história já está dada, a minha”.

Continuidade do desabafo:

“Agora é o momento de coação moral… Ah, vá para o inferno. Não preciso ser coagido moralmente por ninguém. Não estou vendendo a alma ao diabo”.

Na sequência, a confissão.

Embora magoado, como revela, diz que é possível abrir uma porta com Fernando Haddad, mas “com o outro (Jair Bolsonaro), não”.

Certeza e surpresa

MDB saiu-se mal, bastante mesmo, nas urnas deste 2018. Confirmou-se, em parte, previsão de pesquisadores de Datafolha e Ibope. Candidato ao Planalto, Henrique Meirelles sucumbiu nas urnas da fase eliminatória. Integrou grupo sem chance desde os levantamentos iniciais. Partido perdeu governos estaduais e assentos no Congresso Nacional. Também, nas assembleias legislativas.

Versátil senador-líder de vários governos, Romero Jucá, representante de Roraima, entrou na lista de reprovados nas urnas do dia 7. O pernambucano com domicílio eleitoral em Boa Vista é presidente nacional do Movimento Democrático Brasileiro.

Troca de gaúchos

Onyx Lorenzoni

Deputado (reeleito) Onyx Lorenzoni (DEM-RS) integra a lista de ministeriáveis do candidato ao Palácio do Planalto pelo PSL, Jair Bolsonaro.

Se o líder das pesquisas se eleger, o parlamentar gaúcho é citado como sucessor do conterrâneo Eliseu Padilha (MDB), ministro-chefe da Casa Civil do presidente Michel Temer.

Bolsonaro X Haddad

Jair Bolsonaro apresenta-se como vítima de informações falsas ou deturpadas e diz que a imprensa o trata como “ameaça à democracia”.

Para ele, Fernando Haddad, seu concorrente, é quem preocupa, “como evidenciam suas teses de doutorado e mestrado na Universidade”.

Assim se expressou, domingo (14), em sua casa na Barra da Tijuca, via redes sociais.

Quem conhece o que foi escrito pelo candidato do PT “verifica seu interesse pelo marxismo, que é antidemocrático”, arrematou Bolsonaro, representante do PSL na disputa da eleição do último domingo deste outubro.

Números revelados hoje

Intenção de voto para presidente da República apurada pela empresa FSB Pesquisa dias 13 e 14 e divulgada hoje (segunda-feira, 15) pelo BTG Pactual, contratante do levantamento.

Apoio:

Jair Bolsonaro (PSL): 51%;

Fernando Haddad (PT): 35%.

Rejeição:

Bolsonaro: 38%;

Haddad: 53%.

Chico Alencar

Ascensão e queda

Depois da vereança, deputação estadual e de quatro mandatos na Câmara Federal, o historiador carioca Chico Alencar desce do palco iluminado.

Originário do PT, sigla que o desencantou, filiou-se ao PSOL em 2005. Sob a bandeira da nova sigla, somou vitórias, mas perdeu, neste outubro, sonhada cadeira no Senado.

Pelo comportamento ético e pela ação política, integrou sempre o grupo da dignidade no Congresso Nacional.

 

Não parece fácil

Joaquim Barbosa

Fernando Haddad foi a Joaquim Barbosa, ministro (aposentado) do Supremo Tribunal Federal.

Pediu-lhe apoio à campanha sufocante. Aguarda resposta. O ex-presidente da Corte não disse “sim” nem “não”. Vai ouvir a família, que se posicionou contra a candidatura dele ao Palácio do Planalto.

Barbosa foi cortejado por vários partidos, mas escapou das pressões e viajou ao exterior.

Ele não leva jeito de apoiar candidato sufocado.

Assim falou Moran

“Troque suas folhas, mas não perca suas raízes. Mude suas opiniões, mas não perca seus princípios” (Catherine Elizabeth Moran, jornalista e escritora inglesa).

Sem comentários
Escrever um comentário