Atualizado em 28/11/2017 08:54:34

Quanto vale a Eletrobras?

José Truda Palazzo (*)

Quinta maior geradora hidrelétrica do mundo, a Eletrobras tem o desafio de aumentar seus investimentos, nos próximos anos, para atender à expansão da demanda, sobretudo em fontes de energia renováveis. Por isso, a atual gestão vem promovendo um processo de reestruturação interna e se preparando para democratizar o capital da companhia.

Num mundo de grandes corporações no setor elétrico, a Eletrobras tem tudo para ocupar um lugar de destaque. Hoje, sob controle estatal, a empresa tem amarras que a impedem de crescer com rapidez e de competir em pé de igualdade com outras corporações.

A União tem 60% do capital da Eletrobras. Após o processo de emissão de novas ações, o capital deve ser pulverizado, fazendo com que essa participação recue para menos de 50%. Outros investidores ingressarão na companhia, e a fatia da União ficará percentualmente menor. No entanto, com a perspectiva de valorização, a União terá muito a ganhar. Embora com uma quantidade menor de ações, ela continuará sócia relevante de uma empresa muito maior e mais eficiente, que terá mais lucros e pagará mais impostos — e, por isso, valorizará ainda mais suas ações.

Nesse processo, que não é uma privatização clássica, como muitos apregoam, um dos pontos que suscitam debates mais acalorados é sobre o valor justo da companhia. Como a empresa não será vendida ou leiloada, a discussão do valor perde sentido.

O valor patrimonial da companhia hoje é de R$ 46 bilhões e, no mercado de capitais, ela está avaliada em R$ 29 bilhões: valorizou-se mais de três vezes desde o início de 2016. Note-se que essa melhora é fruto da boa percepção dos investidores sobre os rumos da companhia e de suas oportunidades de crescimento, aumento de eficiência e melhoria de governança no futuro.

Pensando nessa Eletrobras que se quer para o futuro, a atual gestão tem adotado várias medidas para cortar custos e aumentar a produtividade. O Plano de Aposentadoria Extraordinária, por exemplo, reduziu o quadro de pessoal em cerca de 2,1 mil colaboradores, com economia de cerca de R$ 880 milhões por ano. Outras medidas — como o uso racional de imóveis da empresa, com venda de prédios e terrenos, e a privatização de seis distribuidoras deficitárias de Norte e Nordeste — agregarão ainda mais valor à Eletrobras. A implantação de um Centro de Serviços Compartilhados e a redução de cargos gerenciais e de assessoria vão gerar economia adicional de mais de R$ 781 milhões por ano.

O endividamento está sendo reduzido. Já foi 11 vezes a geração de caixa da companhia e está em 4,1 vezes. A meta é chegar a menos de quatro, no fim deste ano.

Todas essas medidas podem aproximar o valor de mercado da companhia do seu valor patrimonial. Muito mais ainda poderá ser feito quando a empresa estiver sem as amarras do capital estatal, com agilidade para fazer negócios e fechar contratos. Quando isso acontecer, a Eletrobras poderá investir mais e fechará suas contas sem depender de aportes do Tesouro Nacional — somente em 2016, a empresa consumiu R$ 3 bilhões que poderiam ter sido destinados à saúde, à educação e à segurança pública. Além disso, terá condições de competir em igualdade de condições com as corporações do setor de energia, assumindo papel de protagonista entre os grandes players mundiais, especialmente no Brasil, onde contribuirá para o nosso desenvolvimento, gerando empregos por meio de investimentos no setor elétrico.

(*)  Presidente da Eletrobras

 

 



Deixe um comentário


Criar Conta WALGOM



Logar